Fora do futebol, Luxa mostra por que pode ser "o professor" no pôquer



Vanderlei Luxemburgo pode falar que é o "professor" do pôquer no mundo do futebol. Em um evento com atletas e ex-atletas, o técnico foi o que chegou mais longe na competição para celebridades organizada pela WSOP (Série Mundial de Pôquer, da sigla em inglês), o mais importante campeonato da categoria que tem uma etapa disputada no Brasil pela primeira vez na história.

Com direto a óculos escuros quando estava apostando, ele mostrou intimidade com o jogo até na hora de blefar e fazer o que no futebol receberia o nome de "catimba". Esconder os olhos é uma tática de alguns jogadores renomados que acreditam que o olhar pode dar dicas de seu jogo aos adversários.
A posição exata de Luxemburgo não foi divulgada, mas ele foi o último a deixar as mesas se considerar esportistas que participaram do evento como: Moisés, Rodrigo, Vitor Hugo e Alecsandro, do Palmeiras; Wellington e Michel Bastos, do São Paulo; Elano, do Santos (que preferiu não jogar); Wagner Ribeiro, empresário; e ex-atletas como Rodrigão (vôlei), Virna (Vôlei) e Fernando Scherer (natação). As mesas ainda tinham presenças como o cantor Sorocaba, youtubers, comediantes e membros que frequentam a mídia. 

No evento, o técnico preferiu não falar sobre futebol, embora não esconda o desejo de voltar a trabalhar como técnico. Por um momento, ele deixou as semifinais da Copa do Brasil de lado para praticar o seu hobby preferido em um pavilhão que tem centenas de mesa e milhares de jogadores em busca de dinheiro, diversão e um ambiente que lembra um Casino de Las Vegas, mas sem o tradicional luxo das terras norte-americanas. O evento vai até o dia 02 de novembro e começa no início da tarde e termina até a última mesa acabar no Transamérica Expo Center.

Foi da mesa de Luxemburgo, aliás, que saiu o campeão. O publicitário Angelo Corce, que ganhou a competição e o direito de participar de uma mesa profissional da WSOP, começou apostando suas fichas contra o técnico.
Na mesa de trás, estava Moisés. Apontado pelos palmeirenses como o "dono do pedaço", ele participa regularmente de competições e foi elogiado por Vitor Hugo. "O Moisés é o melhor de lá do Palmeiras. É sempre perder dinheiro para ele", disse o zagueiro.

Moisés, que disputou fichas com Wagner Ribeiro na sua primeira mesa, já chegou a ir para mesa profissional contra Bruno Foster (foto acima ao lado de Denílson, outro praticante do esporte), um dos melhores competidores do país e que estava no evento da última quarta-feira também.
"Esse torneio das celebridades tem crescido muito, o pessoal gosta e tem acompanhado. Cada vez mais temos atletas e ex-atletas participando, o que é muito legal e mostra o quanto o pôquer atinge todas as classes. É sempre legal poder dividir a mesa com todos, pois são muito divertidos", afirmou ele.

Entre os outros jogadores, Wellington e Michel Bastos, que não quis dar entrevistas e evitou até fotos, foram os primeiros a caírem. Alecsandro mostrou certa intimidade com o jogo. 
O Brasil no pôquer tem praticantes famosos no futebol, como Luxemburgo, Neymar e Ronaldo, mas também tem um nome famoso pelo mundo por ser dos melhores jogando as cartas e apostando as fichas: André Akkari já ganhou o disputado Bracelete em 2011 e entrou para o hall da fama do esporte no país e estava no pavilhão na última quarta.

Fora do futebol, Luxa mostra por que pode ser "o professor" no pôquer Fora do futebol, Luxa mostra por que pode ser "o professor" no pôquer Reviewed by Deficiente Eficiente on 20:10:00 Rating: 5

Nenhum comentário

Post AD